Redes sociais: aprenda a usar

Eduardo Gois

Redes sociais: aprenda a usar - Gabriel Rossi

É notório o sucesso e a relevância das redes sociais no cotidiano de milhares de pessoas no Brasil e no mundo. Prova disso é que o Facebook foi o site mais acessado no Brasil em finais de semana e feriados do mês de abril, ultrapassando o Google, como revela uma pesquisa divulgada recentemente pela Experian Hitwise. Por aqui, já são 46 milhões de perfis na rede social, enquanto no resto do mundo a soma já atinge cerca de 900 milhões. Mas por quais motivos a rede é tão acessada?

O porquê de tantos usuários e acessos se dá pelas quase infinitas possibilidades de uso. Em uma rede social, é possível desde postar uma simples mensagem para um amigo, publicar fotos, compartilhar links até mesmo fazer negócios, jogar, comprar, acompanhar o seu artista favorito, conferir vídeos e muito mais.

Para muitos, isso tudo ainda é tido como novidade, o que eleva a curiosidade e a permanência de conexão do usuário nessas plataformas. De compartilhamento em compartilhamento, é possível encontrar desaparecidos e tornar anônimos pessoas famosas – quem não se lembra da Luiza que está no Canadá ou do hit Para nossa alegria?

Além disso, também dá para conseguir oportunidades de trabalho. Mas, para isso, é necessário um uso adequado, seguindo sempre a linha da autenticidade, reconhecendo enganos e procurando agregar valores e o compartilhamento de conteúdos interessantes.

Dentro de um verdadeiro guarda-chuva de opções, o mais importante é saber o que se pretende com cada uma das redes na internet. Se a busca é por um trabalho, por exemplo, não será o Orkut a melhor ferramenta para se conseguir uma oportunidade, e sim o LinkedIn. Escrever com o português minimamente correto, sem abreviações e gírias, também é uma boa dica, pois se mostrar sempre de forma desleixada passará uma imagem negativa.

Segundo especialistas, tagarelar a qualquer preço nem sempre é bom. A internet é livre, porém exige cautela no que é expresso. Para a especialista em Social Content, Ana Victorazzi, a melhor dica sempre é o bom senso. Se por acaso você falhar, seja humilde e diga que sente muito. “Retrate-se e aprenda com seu erro”, ensina.

O estrategista de marketing político e digital, Gabriel Rossi, cita outro ponto importante: o cuidado com a privacidade e o compartilhamento de informações profissionais ou pessoais.

“Leve em consideração as pessoas que poderão ler, inclusive seu chefe, colega ou mesmo um cliente. Evite publicar opiniões quando está nervoso ou chateado.” O especialista também ressalta que o respeito é algo incondicional. “Respeite opiniões, credos, filosofias, raças e todos os tipos de diferenças.” Rossi também afirma que as redes sociais, obviamente, não dizem tudo sobre uma pessoa, mas a postura que ela assume na internet diz muito sobre ela.

Use corretamente

Facebook – É a rede social mais popular no mundo. Grande parte desse sucesso se dá por conta da abrangência e diversidade de recursos. É uma rede para se relacionar com os amigos e conhecer novas pessoas, mas é usada cada vez mais para fins profissionais. O ideal para construir uma boa imagem nessa rede é saber separar os contatos por listas e adequar as ferramentas de privacidade de acordo com o conteúdo que está sendo compartilhado. Participar de grupos no facebook, postar opiniões e colaborar em discussões é um meio interessante para ampliar a rede de contatos e a visibilidade no campo profissional.

Twitter – Caracteriza-se principalmente por ser uma plataforma mais dinâmica, focada em troca de informações rápidas, isso colabora para que seja uma grande disseminadora de informação. O uso desta rede depende muito do foco do usuário, existindo perfis mais profissionais e corporativos e, ao mesmo tempo, usuários “comuns”. Marcas vêm usando a rede para criar uma imagem mais “humana” junto ao público, responder dúvidas e até mesmo realizar atendimento. Criar listas para separar perfis por interesses é um bom modo de absorver melhor o conteúdo. É preciso aproveitar bem os 140 caracteres para atrair quem segue.

Orkut – Até pouco tempo, era a rede mais popular no país. Sofre um grande êxodo de seus usuários para o facebook, mas ainda possui relevância para o público brasileiro. As comunidades são o ponto alto da rede. Usuários que buscam sucesso no Orkut devem ser relevantes nas comunidades mais ativas.

LinkedIn – É uma rede voltada exclusivamente para o meio profissional. É importante ter um perfil bem detalhado, com informações sobre a carreira, prêmios e principais experiências. Os grupos de discussão são espaços valiosos para construir uma cadeia de contatos e contribuir com informações sobre o seu mercado. Além disso, há ferramentas específicas para postar vagas e procurar profissionais.

Badoo – É mais voltada para conhecer pessoas. O foco maior é em quem busca conhecer possíveis pares amorosos, mas também pode ser usada na busca de amizades. Nesta plataforma, é preciso ter certo cuidado com as informações pessoais e o tipo de fotos que se compartilha.

My Space – É uma rede que encolheu nos últimos anos e se mantém com mais força no nicho musical. É bastante usada por novos músicos que desejam divulgar seu trabalho.

Google+ – É o mais novo concorrente do Facebook. A estratégia do Google ao criar o Google Plus consiste em tratá-lo como uma plataforma social integrada aos outros serviços da empresa, inclusive a busca. Há alguns recursos diferenciados, como vídeo-chamadas e hashtags, que funcionam de modo semelhante ao Twitter. Também possui páginas para empresas, mas ainda falta apresentar-se de forma diferenciada para atrair a atenção dos internautas e criar valor mais efetivo como ferramenta de marketing digital.

 

Fonte: Jornal Santuário de Aparecida – 15/05/2012

Postado em Entrevistas, Na mídia, news | Tags: , ,

Comentários Facebook: